Business

Democratas questionam vínculos do programa de semicondutores com Wall Street

Dois legisladores democratas expressaram na terça-feira preocupações sobre ex-financistas de Wall Street supervisionando a distribuição do Departamento de Comércio de US$ 39 bilhões em subsídios para a indústria de semicondutores, dizendo que a equipe levantou questões sobre a criação e o abuso de uma porta giratória entre o governo e a indústria.

Em uma carta ao Departamento de Comércio, a senadora Elizabeth Warren, de Massachusetts, e a deputada Pramila Jayapal, de Washington, criticaram a decisão dos departamentos de contratar um novo escritório para supervisionar as doações para a indústria de chips com ex-funcionários da Blackstone, Goldman Sachs, KKR e McKinsey & Company.

Os legisladores disseram que as decisões sobre pessoal arriscavam um resultado em que os funcionários pudessem favorecer empregadores anteriores ou futuros e gastar o dinheiro dos contribuintes “em listas de desejos da indústria, e não no interesse público”.

Autoridades comerciais rejeitaram a caracterização, descrevendo a equipe de mais de 200 pessoas que construíram para revisar aplicações da indústria de chips como provenientes de diversas origens, incluindo investimentos, análise industrial, engenharia e gerenciamento de projetos. Num comunicado, um representante do Departamento de Comércio disse que a agência recebeu a carta e responderia através dos canais apropriados.

As críticas destacam o que está em jogo para a administração Biden, que começa a distribuir bilhões de dólares para tentar reconstruir a capacidade de fabricação de chips do país.

Mais de 570 empresas e organizações manifestaram interesse em obter parte do financiamento, cabendo ao Departamento do Comércio determinar quais dos projectos merecem financiamento. Autoridades de Biden disseram que julgarão os pedidos com base em sua capacidade de aumentar a capacidade de produção americana e a segurança nacional, bem como de beneficiar as comunidades locais.

O departamento anunciou a primeira concessão do programa em dezembro e outra neste mês, ambas para fabricantes de chips ligados a compras militares. Esses prêmios totalizaram menos de US$ 200 milhões, mas espera-se que o Departamento de Comércio comece a anunciar subsídios maiores nos próximos meses para grandes instalações de fabricação de chips, que podem chegar a bilhões de dólares.

Dada a quantidade de dinheiro dos contribuintes em jogo, o escrutínio voltou-se para os indivíduos que avaliarão os pedidos. O diretor do escritório de chips, Michael Schmidt, é ex-funcionário do Departamento do Tesouro e do governo do Estado de Nova York. Outros membros importantes da equipe tem uma vasta experiência no setor financeiro, incluindo o diretor de investimentos Todd Fisher, funcionário de longa data da empresa de investimentos global KKR.

Gina Raimondo, secretária do Comércio, também tinha experiência em capital de risco, administrando sua própria empresa de investimentos antes de servir como governadora de Rhode Island.

O Departamento do Comércio afirmou que terá uma visão rigorosa das candidaturas e que os seus prémios dependerão inteiramente da força das candidaturas e da sua capacidade de promover os interesses económicos e de segurança nacional dos EUA. Os defensores disseram que dotar a equipe de analistas de investimentos daria ao governo a experiência necessária para analisar propostas de negócios complexas de empresas de chips.

“Nós aqui no Departamento de Comércio temos fundamentalmente de ser bons administradores do dinheiro dos contribuintes e fornecer dinheiro apenas aos projectos que precisam desse dinheiro para incentivar o investimento”, disse Raimondo aos jornalistas em Agosto.

Alguns críticos até bateram a administração Biden por impor demasiados requisitos não financeiros aos requerentes de chips, como a necessidade de fornecer cuidados infantis acessíveis aos seus funcionários.

Mas numa entrevista, Warren disse que o Departamento do Comércio criou uma potencial questão ética “diferente de tudo que já vi antes” ao decidir contratar “quem é quem entre as empresas mais poderosas de Wall Street”.

“Isso cria uma oportunidade para um grande conflito de interesses”, disse Warren.

“Este pequeno grupo de funcionários pode usar a porta giratória de Wall Street para proporcionar aos seus antigos e potencialmente futuros empregadores uma vantagem indevida que não é do interesse público”, disse ela. “Eles também podem beneficiar os clientes atuais desses empregadores ou usar sua posição para construir relacionamentos e oportunidades de negócios com futuros clientes.”

A carta da Sra. Warren e da Sra. Jayapal solicitava mais informações sobre as regras de ética às quais os funcionários dos escritórios de chips estavam sujeitos, incluindo se os funcionários preencheram formulários de divulgação financeira pessoal e se o departamento estabeleceu quaisquer restrições sobre onde os funcionários poderiam trabalhar após deixarem o governo. .

Warren e Raimondo já se enfrentaram antes, inclusive por causa do Departamento de Comércio reuniões com grandes empresas de tecnologia. A Sra. Warren já levantou preocupações sobre o potencial de subvenções federais de chips serem usadas para recompra de ações ou de outra forma enriquecer executivos da indústria de chips, e propôs legislação para estabelecer limites mais rígidos sobre os tipos de empregos que ex-funcionários do governo podem assumir após deixarem o serviço público.

Numa carta de Fevereiro passado em resposta a uma investigação anterior de Warren sobre o programa de chips, o Departamento do Comércio disse que “tornou a ética uma prioridade no pessoal dos escritórios do CHIPS”. Os funcionários seriam avaliados quanto a potenciais conflitos de interesse e receberiam treinamento obrigatório em ética, disse o departamento.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button