Business

TikTok restringe silenciosamente a ferramenta de dados usada pelos críticos

O TikTok restringiu discretamente uma de suas poucas ferramentas para ajudar a medir a popularidade das tendências no aplicativo de vídeo, depois que os resultados da ferramenta foram usados ​​por pesquisadores e legisladores para examinar o conteúdo do site relacionado à geopolítica e à guerra Israel-Hamas.

A ferramenta, chamada Creative Center, tem como objetivo ajudar os anunciantes a rastrear hashtags populares no site. O Centro Criativo está à disposição de qualquer pessoa e pode produzir números sobre a quantidade de vídeos vinculados a uma determinada hashtag e informações sobre o público que viu esses vídeos.

Os críticos da empresa aproveitaram a ferramenta para argumentar que o TikTok, que pertence à empresa chinesa ByteDance, não modera adequadamente o conteúdo do aplicativo e que Pequim influencia as postagens que aparecem nele. O próprio TikTok citou dados de hashtag para resistir às alegações de preconceito pró-Palestina.

Mas desde a semana passada, não havia mais um botão de “pesquisa” na ferramenta e links para hashtags relacionadas à guerra e à política dos EUA pararam de funcionar. A TikTok disse que a ferramenta agora está focada no compartilhamento de dados sobre as 100 principais hashtags em diferentes setores, como animais de estimação ou viagens.

“Infelizmente, alguns indivíduos e organizações utilizaram indevidamente a função de pesquisa do Centro para tirar conclusões imprecisas, por isso estamos alterando alguns dos recursos para garantir que seja usado para o propósito pretendido”, disse Alex Haurek, porta-voz da empresa. A TikTok disse que a ferramenta foi criada em 2020.

A mudança ilumina a pressão que o TikTok sofreu desde o início da guerra. Legisladores e pesquisadores examinaram minuciosamente a influência do aplicativo sobre os jovens americanos e os temores sobre como Pequim poderia potencialmente influenciar o conteúdo do TikTok. Houve esforços em Washington para proibir o aplicativo – um resultado que muitos consideram improvável – ou forçar a venda do TikTok para uma empresa americana.

O Network Contagion Research Institute da Rutgers University, que rastreia a desinformação e o extremismo online, sinalizou as mudanças na semana passada. O grupo utilizou-o para um relatório no mês passado que dizia que os tópicos suprimidos por Pequim dentro de suas fronteiras, como a população uigure e os protestos de Hong Kong, estavam incomumente sub-representados no TikTok em comparação com o Instagram.

Os pesquisadores disseram que não conseguiram mais encontrar dados sobre as hashtags que estudaram, incluindo eventos atuais como #BLM, #Trump2024 e #Biden.

“Qualquer coisa que seja politicamente sensível ou que possa ser politicamente sensível ou explosiva desapareceu, e qualquer coisa que seja M&M ou cultura pop, não há problema”, disse Joel Finkelstein, fundador do Network Contagion Research Institute. “É realmente estranho para mim que eles não tenham anunciado ou dito algo sobre isso.”

A TikTok, que afirmou repetidamente que o governo chinês não tem influência sobre o aplicativo, disse que o relatório usou “uma metodologia falha para chegar a uma conclusão falsa e predeterminada”. Alguns especialistas externos também alertaram contra tirar conclusões muito firmes dos dados de hashtag.

Mas os especialistas também disseram que a pesquisa levantou questões interessantes, e pelo menos alguns legisladores, incluindo o deputado Josh Gottheimer, democrata de Nova Jersey, elogiaram o relatório como parte de um esforço mais amplo para regulamentar o TikTok.

Outras redes sociais, como X e Facebook, também oferecem poucos dados sobre como as pessoas usam os serviços ou como funcionam os algoritmos que exibem as postagens. O TikTok, assim como algumas outras redes sociais, possui um processo de inscrição para pesquisadores que desejam estudar a plataforma de forma independente.

Joshua Tucker, codiretor do Centro de Mídia Social e Política da Universidade de Nova York, disse que os Estados Unidos precisam de regulamentação que exija que as plataformas de mídia social compartilhem dados com pesquisadores externos.

“Deixar as decisões sobre transparência para as plataformas significa que, por definição, obteremos políticas que as plataformas considerem serem do seu interesse naquele momento específico”, disse Tucker. “Às vezes, essas políticas podem se adequar perfeitamente aos interesses das sociedades, dos jornalistas e dos pesquisadores externos, e às vezes não.”



Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button