News

Países apresentam queixa na ONU sobre Boeing 737-800 abatido pelo Irã em 2020

O avião da Ukraine International Airlines foi atingido por dois mísseis que o Irã afirma terem sido disparados por engano logo após a decolagem, matando 176 pessoas.

Canadá, Suécia, Reino Unido e Ucrânia apresentaram queixa à agência de aviação civil das Nações Unidas contra o Irão por ter abatido um avião de passageiros em 2020, matando 176 pessoas.

Os quatro países, que tinham cidadãos a bordo do voo da Ukraine International Airlines, acusaram Teerão de “usar armas contra uma aeronave civil em voo, em violação das suas obrigações legais internacionais”.

O Boeing 737-800 foi abatido pouco depois da descolagem de Teerão, em 8 de janeiro de 2020, no meio de tensões crescentes com os Estados Unidos após o assassinato do general iraniano Qassem Soleimani.

Três dias depois, o Irão admitiu que a sua Guarda Revolucionária disparou dois mísseis contra o avião, que se dirigia para Kiev, por engano.

Os quatro países afirmaram ter aberto “processos de resolução de litígios” com a Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO) da ONU em Montreal.

A medida foi “um passo importante no nosso compromisso de garantir que as famílias das vítimas afetadas por esta tragédia recebam a justiça que merecem”, disse o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, que participou numa cerimónia fúnebre em Ontário para assinalar o quarto aniversário da desastre.

Os países já entraram com um processo no Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) em Haia, pedindo reparações por parte do Irão para as famílias das vítimas.

Eles disseram que o Irã “falhou em conduzir uma investigação criminal imparcial, transparente e justa e um processo criminal consistente com o direito internacional”.

Em Abril do ano passado, um tribunal iraniano emitiu sentenças iniciais para 10 pessoas não identificadas acusadas de envolvimento no incidente, incluindo o operador de um sistema de defesa aérea.

O Irão também estabeleceu uma indemnização de 150 mil dólares para cada uma das famílias das vítimas e disse que em 2022 começou a fazer os pagamentos.

Teerão rejeitou as alegações de que não está a cooperar ou a ser transparente e acusou os quatro governos de tentarem “politizar” a questão.

Apresentou o seu próprio caso junto do TIJ, acusando o Canadá de violar as suas “obrigações internacionais” ao permitir que as pessoas solicitassem indemnizações civis contra Teerão.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button