News

Protestos pró-Palestina realizados em todo o mundo enquanto a guerra em Gaza se aproxima de 100 dias

Centenas de milhares de pessoas estão a sair às ruas em todo o mundo para protestar contra a guerra em Gaza, que se aproxima da marca dos 100 dias, e para exigir o fim da ofensiva de Israel.

Nos comícios de sábado em Kuala Lumpur, na Malásia, pessoas se reuniram na embaixada dos Estados Unidos para enviar uma mensagem ao forte aliado de Israel. Os EUA vetaram resoluções das Nações Unidas apoiadas por uma grande maioria do Conselho de Segurança da ONU que apelam a um cessar-fogo imediato.

“Conversamos com pessoas aqui que dizem que vieram para mostrar solidariedade aos palestinos. As pessoas seguram cartazes que dizem: 'Parem o genocídio', bem como 'Bombardear crianças não é autodefesa'”, disse Florence Looi da Al Jazeera, reportando de Kuala Lumpur.

As manifestações fazem parte de um “dia global de ação pela Palestina” e para pedir o fim do derramamento de sangue que matou 23.843 pessoas e feriu mais de 60.317, segundo autoridades de saúde palestinas.

Israel rejeitou na sexta-feira as acusações de genocídio em Gaza durante uma audiência pública no Tribunal Internacional de Justiça, alegando que o caso apresentado pela África do Sul ao principal tribunal da ONU era uma distorção da verdade que equivalia a difamação.

Os seus argumentos baseavam-se no seu alegado direito à autodefesa após o ataque do Hamas no sul de Israel em 7 de Outubro, que matou 1.139 pessoas, bem como no que disse ser uma falta de intenção genocida contra o povo palestiniano.

No mês passado, o governo da Malásia disse que não permitiria mais que navios de propriedade israelense atracassem em portos malaios. Também disse que qualquer navio a caminho de Israel não teria permissão para descarregar carga em qualquer porto da Malásia.

O movimento de protesto na Malásia, organizado em colaboração com dezenas de ONG, disse que tinha como objectivo educar as pessoas não só sobre as atrocidades que estão a acontecer em Gaza, mas também sobre a história da ocupação.

Milhares de pessoas também se reuniram em frente à embaixada dos EUA na capital da Indonésia, Jacarta, agitando bandeiras indonésias e palestinas e segurando cartazes que diziam “Boicote Israel” e “Cessar-Fogo Agora”.

'Cumplicidade' dos EUA

Em Joanesburgo, na África do Sul, manifestantes reuniram-se em frente ao consulado dos EUA. Fahmida Miller, da Al Jazeera, disse que muitos na multidão acusaram os EUA, que forneceram a Israel milhares de toneladas de equipamento militar desde o início da guerra, de “cumplicidade no bombardeamento do povo palestiniano”.

O protesto foi reforçado pelo caso da África do Sul no TIJ, disse Miller.

Roshan Dadoo, líder do movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções da África do Sul, que participou no protesto, disse: “Estaremos aqui até que possamos garantir um cessar-fogo e assistência humanitária suficiente para Gaza”.

Entretanto, grandes manifestações começaram em capitais mundiais, incluindo Londres, Paris, Viena, Berlim e Amã, e espera-se que aconteçam em Washington, DC e outras cidades americanas.

Jeanine Hourani, membro do Movimento Juvenil Palestino que participou da marcha em Londres, disse que os manifestantes estão irritados com a injustiça em Gaza e determinados a continuar marchando pelos direitos palestinos.

“O sentimento é de raiva e frustração”, disse ela à Al Jazeera. “Temos saído às ruas todas as semanas desde 7 de outubro.”

Hourani disse que embora o público britânico apoie amplamente um cessar-fogo em Gaza, “os políticos do Reino Unido continuaram a financiar e apoiar o genocídio”.

“Em última análise, sabemos que no grande esquema das coisas – no longo arco da justiça – estamos a vencer”, disse ela. “Vamos continuar a sair às ruas, continuar a exercer pressão, até que a Palestina seja livre.”

Milhares de pessoas se reuniram em Bank Junction, no centro de Londres, disse a Campanha de Solidariedade à Palestina (PSC). Husam Zomlot, embaixador da Palestina no Reino Unido, ingressou os manifestantes pedindo um cessar-fogo.

A sétima Marcha Nacional pela Palestina também contou com a aparição de Little Amal, uma marionete gigante de uma criança refugiada síria, juntando-se a um grupo de crianças palestinas.

'Little Amal', uma marionete de uma menina refugiada síria, tornou-se um símbolo internacional dos direitos humanos [File: Tom Nicholson/Reuters]

A marionete de 3,5 metros, cujo nome significa esperança em árabe, tornou-se um símbolo internacional dos direitos humanos depois de ter percorrido 8.000 km (4.970 milhas) da fronteira entre a Turquia e a Síria até Manchester, em julho de 2021.

Cerca de 1.700 policiais estão de plantão para policiar a marcha em Londres, disse a Polícia Metropolitana.

Noutras partes do sábado, protestos mais pequenos também ocorreram na Índia, em cidades como Hyderabad e na capital do Sri Lanka, Colombo. Kollupitiya vizinhança.



Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button