News

Somália expulsa embaixador da Etiópia em meio a disputa sobre acordo portuário na Somalilândia

Mogadíscio também fecha os consulados de Adis Abeba em Hargeisa e Garowe em meio à crescente tensão sobre um acordo portuário entre a Somalilândia e a Etiópia.

A Somália anunciou a expulsão do embaixador da Etiópia do país em meio às crescentes tensões sobre uma disputa sobre um acordo portuário na região separatista da Somalilândia.

O embaixador etíope, Mukhtar Mohamed, foi enviado para casa para consultas, informou o gabinete do primeiro-ministro da Somália na quinta-feira. Mogadíscio também está a encerrar os consulados da Etiópia em Hargeisa, a maior cidade e capital da Somalilândia, e em Garowe, a capital da região semi-autónoma de Puntlândia.

Catherine Soi, da Al Jazeera, reportando da capital queniana, Nairobi, disse que a expulsão foi uma grande escalada diplomática.

“Parece que com o que está a acontecer, será um enorme revés” nos esforços para resolver o acordo de forma pacífica, disse Soi.

A disputa surgiu depois que a Etiópia, sem litoral, concordou com um memorando de entendimento em 1º de janeiro para arrendar 20 km (12 milhas) de costa na Somalilândia.

Segundo o acordo, a costa em torno do porto de Berbera, no Golfo de Aden, será utilizada pela Etiópia durante 50 anos para fins militares e comerciais.

A Etiópia disse que queria estabelecer uma base naval lá e ofereceu em troca um possível reconhecimento da Somalilândia, provocando desafio e raiva da Somália – que acusou a Etiópia de tentar anexar parte do seu território – e teme que o acordo possa desestabilizar ainda mais o Corno de África. .

'Apropriação de terras'

A Somália reivindica a Somalilândia como seu próprio território, embora a região norte goze de autonomia efectiva desde 1991.

A Somália afirma que o acordo equivale a uma apropriação de terras, enquanto a Etiópia afirma que o acordo é de natureza comercial e vital para as suas necessidades económicas.

A Somália também sentiu que o governo etíope contornou Mogadíscio ao chegar ao acordo, disse Soi da Al Jazeera.

A tensão aumentou ainda mais com a recente reunião da Etiópia com responsáveis ​​da região semi-autónoma de Puntland, na Somália, para discutir a cooperação “bilateral”, acrescentou.

Em Janeiro, o presidente somali, Hassan Sheikh Mohamud, disse numa entrevista exclusiva à Al Jazeera que o seu país “se defenderia” se a Etiópia avançasse com o acordo.

Mohamud disse que os activos etíopes teriam de atravessar o território da Somália para chegar à área arrendada e alertou Adis Abeba contra tomar tal medida.

“Até agora os etíopes não entraram na Somália. Se o fizerem, então isso será um problema a um nível diferente”, disse Mohamud.

Ele também acusou o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, de tê-lo mantido “no escuro” sobre o acordo com a Somalilândia quando se reuniram no Djibuti, no final de dezembro, para conversações “muito boas” sobre a “unidade” da Somália, poucos dias antes do Memorando de Entendimento ser aprovado. assinado.

Questionado sobre se pensava que poderia haver uma solução vantajosa para todos para a crise, que alimentou receios de uma ruptura diplomática prolongada, ele disse que a bola estava no campo da Etiópia.

“Queremos que a Etiópia tenha acesso ao mar, não há dúvidas sobre isso”, disse Mohamud, acrescentando que o governo federal estava pronto para negociar um acordo com Adis Abeba.

“Mas agarrando um pedaço de terra, não estamos preparados para isso.”

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button