Tech

Um eclipse impressionante, uma corrida lunar e outros eventos espaciais em 2024

A NASA quer colocar astronautas americanos na superfície da Lua nos próximos anos com a missão Artemis III. Antes que isso aconteça, porém, muitas coisas precisam dar certo, e duas das mais importantes estão programadas para 2024.

A primeira é a missão Artemis II. A NASA apresentou os quatro astronautas do Artemis II no ano passado. Já em novembro, os quatro poderão viajar ao redor da Lua e voltar. Eles seriam os primeiros humanos a viajar perto da Lua desde 1972, quando a missão Apollo 17 foi concluída. Para voar em 2024, a NASA precisará resolver problemas com um escudo térmico na espaçonave dos astronautas, bem como superar outros possíveis atrasos.

O segundo obstáculo é que a cápsula Orion só pode orbitar a Lua – ela não pousa. Os astronautas precisam de outro veículo para chegar à superfície. No momento, trata-se de uma versão da Starship, a espaçonave que está sendo construída pela SpaceX, empresa privada de voos espaciais fundada por Elon Musk. Mas a Starship precisa de muito trabalho antes de estar pronta para transportar astronautas à Lua.

Protótipos da nave estelar do Sr. Musk foram lançados duas vezes em 2023, e cada missão terminou em uma explosão de fogo. SpaceX disse que quer realizar o próximo teste de nave estelar no início de 2024; seja bem-sucedido ou fracassado, voos de mais protótipos poderão ocorrer. Se a SpaceX acertar nos próximos voos da Starship, as perspectivas da NASA de colocar o próximo homem e a primeira mulher na Lua melhorarão nos próximos anos.

O espetáculo celestial de 2024 será o “Grande Eclipse Norte-Americano”. No dia 8 de abril, a Lua atrapalhará o Sol, escurecendo a Terra durante o dia. O amplo caminho do eclipse começa no México, atravessa o Texas, continua através do Arkansas e Missouri até o sul de Illinois, atravessa Indiana e Ohio, depois escurece o oeste de Nova York e os estados da Nova Inglaterra antes de terminar nas províncias orientais do Canadá.

Se você mora no caminho, prepare-se para receber visitas. (Você não pode reservar uma viagem para o caminho da totalidade em breve.) E se você planeja observar o eclipse – de qualquer lugar – é hora de encomendar óculos para eclipse ou outros visualizadores de proteção.

Os foguetes Falcon 9, construídos e operados pela SpaceX, tornaram-se a forma dominante de chegar ao espaço. O lançador ou sua variante Falcon Heavy voou 96 vezes em 2023, com todos os voos em órbita um sucesso. Mas a SpaceX deve esperar novos concorrentes nas plataformas de lançamento em 2024. Eles incluem:

  • Vulcan, um foguete construído pela United Launch Alliance, uma joint venture entre Boeing e Lockheed Martin. Os motores do foguete são construídos pela Blue Origin, empresa espacial fundada por Jeff Bezos, da Amazon. Poderia voar em 8 de janeiro.

  • Ariane 6, um foguete europeu. A Agência Espacial Europeia tem estado recentemente sem um veículo dedicado para entrar em órbita, forçando a Europa a confiar na SpaceX e outros para colocar naves espaciais no sistema solar. Após uma série de atrasos, o primeiro voo do Ariane 6 poderá ocorrer em junho.

  • H3, um foguete japonês. Este veículo foi lançado pela primeira vez em março de 2023, mas falhou na tentativa de colocar em órbita um satélite de imagens. Uma segunda tentativa pode acontecer já em 15 de fevereiro.

  • New Glenn, um foguete da Blue Origin. A empresa de Bezos transportou turistas até os limites do espaço em seu veículo New Shepard menor. Seu grande lançador orbital poderá ser lançado em 2024, abalando os voos espaciais privados se for bem-sucedido.

Novos veículos também poderão visitar a Estação Espacial Internacional. O Dream Chaser, avião espacial construído pela empresa Sierra Space, poderá transportar cargas até a estação pela primeira vez este ano. Além disso, a Starliner, uma cápsula construída pela Boeing, poderá finalmente transportar uma tripulação de astronautas para o posto avançado em órbita em 14 de abril, após anos de atrasos.

Três missões tentaram pousar na Lua em 2023. Apenas uma, Chandrayaan-3 da Índia, teve sucesso. Quatro missões adicionais – e talvez até mais – também tentarão completar um pouso lunar em 2024:

  • SLIM, missão japonesa, deverá ser a primeira tentativa de pouso lunar de 2024, em 20 de janeiro. A pequena espaçonave experimental foi lançada em setembro e já está orbitando a Lua.

  • Duas outras missões vêm de empresas privadas, tendo a NASA como principal cliente. A Astrobotic, uma empresa de Pittsburgh, lançará seu módulo lunar Peregrine em 8 de janeiro, que poderá tentar pousar perto do Oceano de Tempestades, no lado próximo da Lua, em fevereiro. A Intuitive Machines of Houston enviará seu próprio módulo de pouso em direção ao pólo sul da Lua já em meados de fevereiro.

  • A China também está planejando seu quarto pouso na Lua. Chang'e-6 poderia seguir em direção ao outro lado da Lua em maio, coletando amostras de rochas e poeira lunares para trazê-las à Terra para estudo.

Outras missões são mais provisórias. A empresa japonesa Ispace, que despenhou o seu primeiro módulo de aterragem no ano passado, poderá fazer uma segunda tentativa no final deste ano. E a Intuitive Machines tem ambições de enviar mais duas missões patrocinadas pela NASA à Lua em 2024.

Existe um vasto sistema solar lá fora, e missões grandes e pequenas serão lançadas para explorá-lo.

A maior é a Europa Clipper, uma espaçonave da NASA que se dirigiu à lua de Júpiter, Europa, em outubro. Europa tem um exterior gelado que esconde um vasto oceano que, segundo os cientistas, pode ter as condições certas para a vida. Depois que o Clipper chegar à Europa em 2030, a espaçonave não tentará pousar lá, mas estudará a Lua durante dezenas de sobrevoos.

Duas novas espaçonaves também poderiam ir ao planeta vermelho não antes de agosto, como parte da pequena missão ESCAPADE da NASA. A espaçonave orbitará Marte e estudará a bolha magnética que a rodeia.

Em outubro, a Agência Espacial Europeia lançará a missão Hera ao asteroide Dimorphos. Ele estudará os efeitos de uma missão anterior, o Teste de Redirecionamento Duplo de Asteróides da NASA, que atingiu Dimorphos em 2022 para testar se a alteração da trajetória de uma rocha espacial poderia proteger a Terra de futuros ataques de asteróides.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button